No processo de Dedetizadora, contamos com sistema gel, totalmente inodoro, com ação de choque e que permite aplicação em qualquer horário. Sua aplicação é direcionada a pontos estratégicos, garantindo total eficácia e precisão na eliminação dos insetos.

 
As pulgas ocupam um lugar de destaque em Parasitologia pela sua forma de interação com outros organismos, atuando como parasitos, vetores ou hospedeiros intermediários.

Em altas infestações, alguns animais de pequeno porte podem apresentar-se anêmicos em virtude da espoliação sanguínea de machos e fêmeas. Podem causar lesões cutâneas nos locais de parasitismo por Tunga penetram (bicho-de-pé), com a possível veiculação mecânica do tétano, gangrenas gasosas e esporos de fungos.

As pulgas são insetos pequenos - 1 a 3 mm - de corpo achatado lateralmente. Não possuem asas e o último par de pernas é adaptado para saltar, o que lhes permite dar grandes pulos! Apresentam aparelho bucal picador-sugador.

Pulgas adultas são hematófagas obrigatórias. As larvas que vivem no solo alimentam-se de dejeções ressecadas das pulgas adultas.

O bicho-de-pé é, na verdade, uma pulga! Tunga penetrans. Macho e fêmea são hematófagos, mas apenas a fêmea penetra no tecido, alimentando-se de líquido tissular e sangue. Ela vai enchendo-se de ovos e tomando uma forma hipertrofiada. No homem, prefere penetrar principalmente na sola plantar, calcanhar, cantos dos dedos (pés e mãos). Machos e fêmeas ficam em locais secos, próximos às matérias orgânicas. A fêmea, após a cópula, permanece com a cabeça e o corpo mergulhados no tecido, deixando para fora apenas a extremidade posterior, que contém a abertura genital e os espiráculos respiratórios. Pela abertura genital a fêmea expulsa os ovos maduros como “bolas de canhão”. Cerca de quinze dias depois da cópula, a fêmea já fez a postura de todos os ovos e morre ou é combatida pelo organismo do hospedeiro. 

As fêmeas ao penetrarem provocam um prurido intenso. Depois de grávidas, continua o prurido e, às vezes, dor. Para retirar a pulga, desinfetar o local e, com uma agulha esterilizada, fazer pequenas dilacerações na pele, circundando a tumoração. Após a incisão completa da pele, retirar o bicho-de-pé, puxando-o. Tratar o local.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInGoogle+